O Deus da Formiga

A formiga, em minha concepção, é o ser humano mais pequeno, frágil e manipulado. Os insetos instintivamente seguem normas e comportamentos políticos e sociais semelhantes aos nossos. E, afinal quem copiou o sistema de quem?

Conhecida como trabalhadora e vivente de uma dura sociedade de castas e uma estratificação repugnante, elas seguem trabalhando e alimentado a si, e sua rainha.

E nós? Vivemos pelo consumo, pelo capital, vivemos em uma sociedade estratificada, no entanto mais moderna e complexa do que as das formigas.

Em sua geopolítica, as formigas podem escravizar formigueiros rivais, matarem seus oponentes, e, talvez criar uma intolerância “fomigável”. E obedecerem fielmente sua rainha, colocando-a como prioridade principal.

Já, na nossa geopolítica, também podemos escravizar outros países, porém com um toque mais eufemizado, por exemplo, criando sanções, desenvolvendo uma cultura de medo, através de bombas nucleares, criando acordos com superpotências, para elas controlarem efetivamente os seus vizinhos rebeldes, como a China controla, de um certo ponto a Coreia do Norte.

Vivemos tempos tempestuosos, levando em conta que esse texto está sendo escrito em 2018, atualmente, vivemos cenários de possíveis conflitos internacionais, nossa política brasileira vive aos tombos e barrancos.

Sem contar a fúria que a natureza vem protagonizando no mundo, muitos furacões, terremotos, desabamentos e sofrimentos, causados por guerras que assolam boa parte do Oriente Médio, ressaltando visões políticas bem distintas para resolverem tais conflitos.

E nesses momentos, os seres humanos, buscam um conforto do além do olhar, um Deus, um universo inteligente. Pois bem, crenças não faltam, pois querendo você ou não elas dão mais sentido do que a filosofia, pois: filosofar pede questionar; e grande parte de nós queremos acreditar cegamente. Logo, surgem os grandes líderes políticos e religiosos, buscando arrecadações astronômicas, por um lado aumentam a fé, possibilitando ao indivíduo uma prosperidade prometida; quando digo líderes religiosos, explícito todos os seres de quaisquer religiões.

E a formiga, exausta depois de um longo dia trabalhado, sem quaisquer direitos previstos em leis trabalhistas. Com quem desabafar seu dia? Porventura com a doce rainha, acho que não, muito ocupada ela. E os sofrimentos decorridos no dia, visto que carregaram enormes folhas. Então, quem há de ser o guru das formigas? Você aí, quem você acha que controla o destino das formigas? Tome a resposta: o ser humano!

Ao entardecer, os meninos da rua do 38, sem nada para fazerem, de longe veem um enorme formigueiro. Leonardo, o mais excêntrico do grupo, planeja uma enorme inundação.

Ao pegar a mangueira da avó, eles fazem uma grande represa, e pasmem: a arquitetura ficou esplêndida. E de repente o formigueiro é transbordado, sobrando a rainha, os soldados, e pouquíssimas operárias. Cansados de verem tantas formigas flutuando, eles vão embora.

O desespero no formigueiro foi total, muitas formigas dizimadas, muitos amigos perdidos, muitos seres mortos, a elite intacta, trazendo descontentamento entre os operários e a classe escravizada. E, então o pronunciamento da rainha é marcado.

_ “Meus filhos, meus consanguíneos, o formigueiro foi destruído pelo supremo, aí daquele que confrontar os desejos da ordem divina; aviso-lhes, para que trabalhem mais, pois o divino, achou que a preguiça dominou o formigueiro. E todos nós sabemos, que quando um formigueiro entra no pecado do descanso, afeta toda a sociedade, trazendo castigos do supremo”. E busca encerrar: “Formigueiro trabalhador, obediente e resistente, nunca será consumido pelo avassalador”.

Agora, no formigueiro, todos acreditam que por trabalharem pouco, pois só trabalhavam 24 horas por dia, alternado entre turnos, para permitirem que outras descansem, logo o soberano deixou o avassalador destruir o formigueiro.

Porém, muitos questionaram o fato dos mais poderosos terem sobrevividos, como a própria rainha, os generais de guerra, grande parte dos soldados e os burgueses. Mas tais comentários logo foram censurados.

E não cansam de trabalhar, agora todas as formigas deveriam trabalhar durante o dia e o período da noite. Conclusão: muitas morreram, principalmente os soldados, que estavam em alerta total. No outro dia, os amigos junto com Leonardo introduzem uma enorme quantidade de cupins, besouros e aranhas dentro do formigueiro, não se ouvia os gritos das formigas, mas qualquer tolo saberia, que um enorme massacre estava acontecendo.

A última frase da rainha Benalde:

_ “Não se acanhem, o supremo permitiu, logo estaremos ao seu lado“.

O ser humano seria o Deus das formigas, ou o avassalador, ou os dois juntos? Quer dizer, que as formigas nos adoram, porém não nos veem, sendo assim, será então que o nosso Deus está junto de nós, mas em comparação temos um raciocínio de uma formiga, por isso não vemos o nosso criador. Então onde ele está?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s